terça-feira, 20 de novembro de 2018

Lei aprovada há 3 anos causa preocupações em trabalhadores de empreiteiras no Japão

Organização de advogados está oferecendo consultas gratuitas por telefone
Trabalho no Japão

Nos últimos dias, dezenas de trabalhadores enviados por empreiteiras buscaram ajuda para tentar resolver uma questão provocada pela aprovação de uma lei polêmica há três anos.

Em 2015, uma lei que limita em até três anos a atuação de um trabalhador enviado por empreiteira em determinada empresa ou fábrica entrou em vigor no Japão.

A lei diz que, se o trabalhador pretender continuar no local, a empreiteira deverá solicitar a efetivação junto ao local de contratação e, se não ocorrer, o trabalhador será enviado para outro local.

Uma reportagem da NHK informou que, com o fim do contrato de pessoas que começaram a trabalhar assim que a lei entrou em vigor, muitos estão preocupados em não serem efetivados e precisarem sair de onde estão atuando no momento.

Após três anos com a lei em vigor, o cenário que parece estar se formando é de trabalhadores sem perspectiva de efetivação e que procuram ajuda jurídica, pois acreditam que serão demitidos ao fim do prazo do contrato, informou a NHK.

Uma organização de proteção aos direitos dos trabalhadores temporários decidiu disponibilizar um número para consultas gratuitas temporárias, que colocará o trabalhador em contato com um advogado. As consultas poderão ser realizadas apenas em japonês.

Telefones:
20 de novembro:
Fukuoka – das 17h às 21h – 092-721-1208

21 de novembro:
Chiba – das 13h às 16h – 043-221-4884

22 de novembro:
Kanagawa – das 10h às 17h – 045-651-6441

23 de novembro:
Fukui – das 10h às 15h – 0776-25-7727
Ishikawa – das 10h às 15h – 076-231-2110
Toyama – das 10h às 15h – 076-423-0698
Osaka – das 10h às 17h – 06-6361-8624
Nagasaki – das 10h às 17h – 0120-41-61-05
Gunma – das 13h às 15h – 027-251-5707
Gifu, Aichi, Mie – das 13h às 16h – 080-4525-0503/ 080-3650-5225

24 de novembro:
Tochigi – das 10h às 12h – 028-643-7711
Tóquio – das 13 às 17h – 03-3251-5363/ 03-3251-5364
Saitama – das 16h às 17h – 048-837-4821

27 de novembro:
Quioto – das 13h às 18h – 075-256-3360
Miyagi – das 16h às 20h – 022-261-4444/ 022-261-5555
Fonte: Alternativa

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

JICE oferece cursos gratuitos de japonês para trabalhadores em Gunma

Aulas de nível 3 terão início este mês em Oizumi e também em Isesaki
Cursos gratuitos de japonês na JICE

O Centro de Cooperação Internacional (JICE) está com inscrições abertas para o curso gratuito de japonês (nível 3) para trabalhadores brasileiros e estrangeiros de outras nacionalidades em Gunma. As aulas terão início em 21 de novembro em Oizumi e 27 de novembro em Isesaki.

Com duração de três meses, o curso de nível 3 é voltado para aqueles que já sabem ler e escrever hiragana, katakana e kanjis básicos, e que também conseguem se comunicar sem problemas, mas que querem aprender o modo correto de falar no trabalho.

As inscrições podem ser feitas na Hello Work da área de residência. No caso dos interessados no curso em Oizumi, as inscrições encerram no dia 19 (segunda) e em Isesaki no dia 16 (sexta). Os interessados precisam apresentar uma foto 3x4 cm e o cartão de residente (zairyu card).

Requisitos
O curso é gratuito, mas as despesas de transporte devem ser custeadas pelo participante. Estrangeiros de qualquer nacionalidade ou idade podem se inscrever nos cursos, mas há limitações relacionadas ao tipo de visto.

Apenas estrangeiros com visto permanente (eijusha) ou que sejam cônjuge ou filho de alguém que tenha visto permanente (eijusha no haigusha), ou que tenham visto de longa permanência (teijusha) ou que sejam cônjuge ou filho de um cidadão japonês (nihonjin no haigusha) poderão se inscrever no curso.

Nesse ano, a JICE implementou os cursos em 17 províncias – Ibaraki, Tochigi, Gunma, Saitama, Chiba, Tóquio, Kanagawa, Ishikawa, Nagano, Gifu, Shizuoka, Aichi, Mie, Shiga, Osaka, Hiroshima e Shimane.

Patrocinados pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-estar Social, os cursos visam capacitar residentes estrangeiros que estão à procura de um emprego estável no país.

De acordo com as habilidades da língua japonesa que os participantes possuem, o programa do curso conta com o aprimoramento da capacidade de comunicação no local de trabalho, incluindo o estudo da língua japonesa, o conhecimento básico sobre as leis trabalhistas japonesas e práticas de emprego, a orientação sobre como preparar um curriculum-vitae, a simulação de entrevista, entre outros itens.

Informações sobre os cursos em Gunma nas agências da Hello Work: 0270-23-8609 (Isesaki); 0276-46-8609 (Ota); 0276-75-8609 (Tatebayashi). Informações através da JICE: 080-5952-6836 ou pelo e-mail kenshu-por@jice.org, de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h.

Informações sobre os cursos de japonês em outras províncias, aqui.
Fonte: Alternativa

domingo, 28 de outubro de 2018

Pesquisa mostra que produção das fábricas caiu no Japão após desastres naturais

A disputa comercial entre a China e os EUA também pode causar impacto sobre a economia 
produção das fábricas no Japão
 
A produção das fábricas no Japão provavelmente caiu em setembro pela primeira vez em dois meses devido a desastres naturais, mostrou uma pesquisa da Reuters na sexta-feira (26), o que aumentaria as previsões de que a economia enfraqueceu no terceiro trimestre.

A produção industrial caiu 0,3 por cento em setembro em relação ao mês anterior, segundo a pesquisa com 16 economistas. O número de agosto foi revisado para um ganho de 0,2% em relação aos 0,7% inicialmente divulgados.

Analistas disseram que tufões e terremotos, que interromperam as operações em algumas fábricas, afetaram a produção.

A disputa comercial entre a China e os Estados Unidos pode causar um impacto mais claro sobre a economia do Japão nos próximos meses, acrescentaram.

Takeshi Minami, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Norinchukin, disse que a economia "provavelmente abrandou no terceiro trimestre, mas os gastos de capital são sólidos, o que pode ser um apoio".

“A economia da China desacelerou e o comércio global também. O crescimento econômico do Japão pode acelerar novamente, mas estamos entrando na fase em que o pico econômico pode estar aparecendo”, disse ele.

O Ministério do Comércio divulgará os dados de produção das fábricas na próxima quarta-feira. Os números do Produto Interno Bruto (PIB) de julho a setembro serão mostrados em 14 de novembro.

As vendas no varejo, outro dado importante para medir o crescimento do PIB no terceiro trimestre, devem subir 1,6 por cento em setembro em relação ao mesmo período do ano passado, desacelerando em relação ao aumento de 2,7 por cento em agosto, segundo a pesquisa.
Fonte: Alternativa com Reuters

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Entrada de mais trabalhadores estrangeiros no Japão é apoiada por 47% das empresas, mostra pesquisa

O governo japonês planeja criar um novo status de visto de cinco anos
 trabalhadores estrangeiros no Japão

A aceitação de mais trabalhadores estrangeiros em áreas onde o Japão está enfrentando escassez de mão de obra foi apoiada por 47 por cento das 1.005 empresas entrevistadas em uma pesquisa do jornal Mainichi realizada por telefone entre os dias 6 e 7 de outubro. Trinta e dois por cento foram contra a ideia, enquanto 22 por cento optaram por não responder à pergunta.

O governo japonês planeja criar um novo status de visto de cinco anos para trabalhadores estrangeiros a partir do próximo ano. As opiniões estavam divididas quanto a permitir ou não que esses estrangeiros ficassem no Japão por um período ilimitado de tempo.

Enquanto 40% apoiaram a ideia de um limite de tempo irrestrito, 38% foram contra. Os 21 por cento restantes não responderam. O governo não tem planos de estender o visto do período atualmente planejado de cinco anos.

Entre aqueles que são a favor mais trabalhadores estrangeiros em setores como construção e cuidados a idosos, 63% apoiaram permanência ilimitada, enquanto 32% desaprovaram tal opção. Os números foram invertidos entre aqueles contra a expansão da aceitação de trabalhadores estrangeiros, com 28% para permanência ilimitada e 67% contra.

Os resultados da pesquisa sugerem que o governo deve fornecer explicações detalhadas e cuidadosas dos projetos de lei relacionados aos trabalhadores estrangeiros que pretende apresentar durante a sessão extraordinária do Parlamento, programada para o próximo dia 24.
Fonte: Alternativa com Reuters

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Japão vai encorajar empresas a empregar trabalhadores até os 70 anos

Esforço do governo para remodelar a mão de obra face a uma população em encolhimento e idade avançada
Trabalhadores de idade mais avançada
O governo japonês vai pavimentar o caminho para trabalhadores permanecerem empregados até os 70 anos, se eles escolherem assim, como parte de seu esforço para remodelar a mão de obra face a uma população em encolhimento e idade avançada.

Tóquio busca revisar a legislação a qual agora exige que as empresas permitam aos funcionários que quiserem trabalhar até os 65 anos. Isso será gradualmente elevado para a idade de 70, incialmente como uma meta não obrigatória.

O primeiro-ministro Shinzo Abe disse ao jornal Nikkei Asian Review em 3 de setembro que ele quer deixar as pessoas trabalharem além dos 65 anos. O governo discutirá a questão com líderes de negócios no outono.

Antes da mudança da lei, o governo fornecerá suporte às empresas interessadas em empregar pessoas mais velhas.

Essas medidas serão acompanhadas por incentivos maiores para que os trabalhadores de idade mais avançada atuem.

As companhias estabelecem suas próprias idades de aposentadoria – tipicamente menos de 65 anos – e os funcionários que desejam permanecer além desse ponto são geralmente recontratados como salários significantemente mais baixos.

Duas em cada três pessoas com 60 anos de idade ou mais querem continuar trabalhando além dos 65, de acordo com uma pesquisa do governo, mas o pagamento reduzido significa que muitos optam por viverem de suas pensões.

Os setores público e privado buscarão renovar a performance de avaliação e sistemas de remuneração para garantir que os mais velhos com habilidade e desejo de trabalhar não sofram um golpe financeiro por fazer isso.

O governo também vai considerar a reformulação do sistema de aposentadoria, oferecendo pagamentos maiores àqueles que começam a coletar benefícios aos 70 anos ou mais.

Contudo não está claro se as empresas atentas a custos de trabalho mais altos concordarão com esse esforço.

Empresas que têm estruturas de salários com base em senioridade podem responder a uma idade de aposentadoria tardia ao reduzir o salário ao nível de ingresso. E se a economia esfriar, as empresas vão ficar mais opostas a medidas que elevam custos.
Fonte: Portal Mie com Nikkei

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Aeroporto de Narita contrata mais estrangeiros

A medida realizada pelo aeroporto ocorre quando o país busca atrair 40 milhões de turistas estrangeiros até 2020, ano das olimpíadas
Aeroporto de Narita

A maior porta de entrada internacional do Japão está contratando mais estrangeiros para melhor atender os visitantes do exterior, enquanto eles chegam em grandes números sob a política do governo para promover o turismo.

A medida realizada pelo Narita International Airport Corp ocorre quando o país busca atrair 40 milhões de turistas estrangeiros até 2020, ano que Tóquio sediará as Olimpíadas e Paralimpíadas, e 60 milhões até 2030, para atingir crescimento econômico em meio a um mercado doméstico que está encolhendo, caracterizado por uma população em envelhecimento e persistente baixa taxa de natalidade.

Habilidades em idioma e bagagem educacional
O Ministério dos Transportes está agora considerando criar uma nova categoria de visto para expandir o emprego estrangeiro em aeroportos de todo o país para conter uma esperada escassez de japoneses.

No final de julho, Roneta Ratumaitavuki, fijiana de 24 anos, começou a trabalhar no aeroporto como uma das primeiras estrangeiras empregadas diretamente pela operadora do complexo.

Fluente em inglês, Ratumaitavuki estava atendendo um grupo de homens de Singapura no balcão de recepção de um saguão pago, orientando-os sobre onde poderiam fumar e perguntando se eles pagariam suas contas juntos ou separados.

Habilidades em idioma e bagagem educacional superior eram o que o aeroporto estava buscando quando decidiu recrutar pessoal de Fiji.

Após saber que o país onde o inglês é falado tem muitas pessoas formadas, mas várias desempregadas, a operadora do aeroporto realizou entrevistas e ofereceu cargos a três de 181 que se candidataram, de acordo com seus oficiais.

Face ao crescente número de usuários de aeroportos, uma empresa que faz a parte de segurança em Narita também começou a contratar pessoal estrangeiro nos últimos anos e agora emprega 10 pessoas de países que incluem China, Coreia do Sul e Sri Lanka.

“Com a (limitada) habilidade linguística dos japoneses, geralmente leva-se tempo para realizar verificações em materiais, incluindo líquidos”, disse um oficial responsável pelas inspeções.

Aumento de trabalhadores estrangeiros em Narita

Aumento de trabalhadores estrangeiros em Narita
O aumento no número de trabalhadores estrangeiros em Narita não só reflete a necessidade por pessoas com habilidade de comunicação em inglês e outras línguas, mas também o fato de que os japoneses acabam se afastando por conta do trabalho duro e longas horas que os empregos em aeroportos envolvem.

“Enquanto os aeroportos pareçam glamourosos, o trabalho realizado lá é muitas vezes duro, sujo e perigoso”, disse um oficial superior no Narita International Airport, frisando que as pessoas que executam tais trabalhos estão na ativa até tarde da noite ou de madrugada fora dos horários de voos.

“Os japoneses estão escolhendo empregos com melhores condições de trabalho”, disse Mamoru Uematsu, um executivo da Biseisha Co., que faz a limpeza no aeroporto 24 horas.

Ao dizer que 35 dos 300 funcionários da empresa agora são estrangeiros, Uematsu disse que os aeroportos japoneses não podem operar sem essa mão de obra.

O número de passageiros internacionais que usou aeroportos japoneses no ano fiscal de 2016 cresceu 1,4 vez em comparação a 2012, de acordo com o Ministério da Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo.
Fonte: Portal Mie com Mainichi

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Até 2050, Japão visa produzir apenas carros eletrificados

A meta é produzir apenas carros elétricos, híbridos e movidos a célula de combustível para reduzir as emissões de gás de efeito estufa
O Japão visa produzir apenas carros eletrificados

O Japão visa produzir apenas carros eletrificados até o ano 2050 para reduzir as emissões de gás de efeito estufa.

O ministério da indústria decidiu sobre a estratégia durante uma reunião realizada na terça-feira (24). Dentre os participantes estavam executivos de montadoras como a Toyota, Nissan e Honda, além de professores universitários e outros.

Eles adotaram uma meta de longo prazo, até 2050, para reduzir emissões de carros japoneses em até 80% dos níveis de 2010. Para chegar a isso, eles estabeleceram um objetivo de produzir somente carros elétricos, híbridos e movidos a célula de combustível.

A indústria, academia e o governo vão trabalhar juntos para desenvolver tecnologias de próxima geração, como novos tipos de baterias e motores.

O ministro da indústria, Hiroshige Sato, disse aos participantes que as metas de tornar populares veículos eletrificados e reduzir emissões enviam uma mensagem de que o Japão contribuirá proativamente aos esforços.

A medida do Japão ocorre em meio a uma mudança global para tais veículos, principalmente na Europa e na China.

O ministério planeja explorar planos detalhados que incluem um novo padrão de quilometragem, e espera que as fabricantes japonesas mantenham a competitividade.
Fonte: Portal Mie com NHK